A árvore da vida – 01 ano Lucas

São Paulo, junho de 2012.

Li recentemente num artigo da revista “Science” que as pinturas mais antigas do mundo têm 41 mil anos de idade… A minha reflexão parte da maneira como o ser humano se coloca no mundo, e, dentro da sua transitoriedade e efemeridade, deixa sua marca para os seus descendentes…

Havia um tempo em que não fotografava aniversário infantil, mas resolvi seguir meus instintos certo dia, e traçar novos rumos nesse caminho. Por causa dos finais de semana que fotografava em Boston no início de minha carreira, na área de casamentos, Bar Mitzvah, batizados, festas infantis e afins, perdia o melhor do meu convívio familiar, mais ainda atualmente…, que tanto priorizo. Até que conheci uma família há cerca de um ano que me inspirou a dar nova chance ao acaso. Qual não foi minha surpresa ao perceber o que acontece quando sigo meus instintos. Hoje percebo como tudo se encaixou nessa “gestalt”, sensação de coração pleno e em paz com o sentido da vida.

Estando eu em Vila Madalena certo dia, tomando um delicioso café, “por acaso” resolvi, num gesto instintivo pois impensado, deixar meu cartão de visita para a atendente ao sair do local. Eu adorei o ambiente do lugar, muito charmoso e convidativo, todos aqueles cheiros de chocolate, sim, sinto que alguns deles tem cheiros diferenciados, como o “noir”, meu preferido…um deleite para o olhar e o paladar, um oásis na Paulicea.

Passou-se um longo tempo, quando recebi um telefonema de uma das proprietárias desse café para fotografar um book de gestante da filha.

Ao chegar com a maquiadora no local marcado, num sábado de sol invernal, somos gentilmente convidadas a aguardar até que nossa presença fosse anunciada. Foi quando percebo a primeira surpresa…escuto muitos sons incomuns, a começar por duas lindas e magníficas araras azuis que estavam em um jardim logo após a entrada. Fiquei um belo tempo apreciando os sons e as cores das mesmas quando vi um movimento no chão, e eis que surge uma tartaruga seguindo calmamente seu caminho, em direção aos alegres miquinhos, fora os ariscos coelhos “sem cartola”, cachorros, que depois vim a saber que foram adotados pela família, após terem sido abandonados na rua por ex-donos. Parecia estar num verdadeiro reino encantado numa floresta…Me permiti por um breve período de espera ser a própria Alice no País das Maravilhas, de Lewis Carrol.

GráVIDA!

Como se não bastasse, fiquei sabendo que a mãe da gestante viria em seguida pois estava alimentando a coruja da casa. A coruja é símbolo da sabedoria e da reflexão, o conhecimento racional e intuitivo. Na mitologia grega, Athena, a deusa da sabedoria, tinha a coruja como símbolo.

Sempre tive adoração pelas corujas, tanto pelos seus olhos brilhantes na noite, quanto pelo fato de serem notívagas, como eu! Quando voltava do Vinhático domingo à noite na estrada de terra, via vários olhinhos no caminho de volta para a cidade, antes de chegar na estrada de concreto.. Pela sua característica de animal notívago (noturno), era vista pelos gregos como símbolo da busca pelo conhecimento. Os gregos consideravam a noite o momento propício para o pensamento filosófico.

Quem nunca escutou a expressão “mãe coruja”? O termo “coruja” geralmente é aplicado ao pai ou a mãe que ressalta com um certo exagero as qualidades dos filhos. É extensivo a outros familiares como tios, avós, padrinhos e afins.

"Mãe coruja" - Fonte: National Geographic

…quando chega a mãe do “tigrinho” que estava por-vir, com uma linda, plena e absoluta barriga de uns oito meses…

Com um dos olhares mais doces que meus olhos já cruzaram, assim como fortes, percebi também nuances do que acontece com todas que vivenciaram a maternidade, os anseios e dúvidas do por-vir, afinal, maternidade é um dos maiores desafios e maior responsabilidade que uma mulher pode ter, na minha opinião.

Sinto uma enorme e envolvente empatia com todas as gentantes que carregam O verdadeiro milagre da vida no ventre materno. Não é à toa que tantas madonas foram retratadas ao longo da história da arte…

Quadro decorativo na Casa da Fazenda, S.P., onde houve a celebração familiar.

Voltando ao instintivo (ou inconsciente?), acredito que existem situações que parecem reafirmar e legitimar nossas escolhas. Essa família instigou meu olhar para as questões ambientais, principalmente o respeito pelos animais! Surpresa ao ver essa linda festa de 01 aninho do “rei” da floresta, o tigre/girafa Lucas! Com seus olhinhos pretinhos e expressivos, vivos, atentos e com vida própria, rodeando a 5ª geração da família Puccini!

5 gerações da família Puccini, que precioso e raro!

Elas olhando para a frente, e ele olhando para elas!

Percebo que estou diante de uma raridade ao aprender com uma amiga-irmã, que, nas Sagradas Escrituras, citam que após a 5ª geração há libertação de toda uma geração (Exodos 20:5).

Reflito…ninguém tem oportunidade tão preciosa à toa!

Observo o olhar carinhoso, vivido e feliz da trisavó, com “olhos de mãe coruja” que formou esse clã, e sigo nos olhares, de mãe para filha, que é filha e avó, da bisneta para o filho, que é trisneto, de filha para neta, e de bisneta para mim! Pura inspiração para o meu amanhã… almejo como essa matriarca chamada Maria dos Anjos seguir a vida, passo a passo, vivendo plenamente essa benção que é viver, para um dia serena apreciar os filhos dos meus filhos, e os filhos dos filhos, todos os frutos da árvore da vida que eu também plantei, formando o infinito círculo da vida!! ?

Chego na festa e sou recebida por um leão de pelúcia, e percebo como tudo se encaixa…

"Árvore da Vida".

Nos balões todos aqueles “olhos de jabuticaba” formando a frondosa “Árvore da Vida”.

…a mesa rica em detalhes que remetem aos valores da família em relação ao respeito com nosso Planeta, a natureza e os animais, a história sendo tecida, fotografias que um dia os filhos do “tigrinho” apreciarão e terão de referência, conhecimento para a trajetória da família e suas nuances, as raízes dessa árvore esplendorosa!

Fotografar, perpetuar, inspirar, revelar, filosofar!

Um click pode mudar tudo…

Sugestão de posts no blog (início da carreira, Vinhático e Olhos de Jabuticaba) que estão relacionados, para melhor entendimento do contexto:

http://anna-alvarenga.com/blog/seja-bem-vindo/

http://anna-alvarenga.com/blog/vende-se-borboletas-azuis-e-um-ceu-estrelado/

http://anna-alvarenga.com/blog/olhos-de-jabuticaba/

Piquenique Casa do Brincar

Piquenique Casa do Brincar

Piquenique Casa do Brincar


Piquenique Casa do Brincar


Piquenique Casa do Brincar

As imagens valem mais que mil palavras…”sinta” e conheça esse piquenique que a Casa do Brincar promoveu, e que acontece uma vez por mês em São Paulo!!

Fato: maior índice de sorrisos, pezinhos no chão, beijocas e carinhos por metro quadrado… convívio familiar formando memórias afetivas de qualidade única. Priceless!!

Confira tudo aqui!

Olhar contemplativo

Olhar contemplativo -

Desde sempre tive fascinação por borboletas, papillons e butterflies.

Sim… para mim, em cada língua esse som adquire uma linguagem própria… Lembranças de infância, várias delas, tipo borboletas azuis (Blue Morpho Butterfly), pretas por fora, mas quando abriam as asas para voar eram de um surpreendente azul celeste, multicor, brilhante, e voavam aos montes__ uma nuvem celestial de borboletas azuis embaixo do abacateiro no Vinhático…

As crianças são um universo único realmente. De repente, percebo esta cena… e me encanto! Os compromissos que esperem _
pois estou vendo uma mágica maravilhosa bem em frente dos meus olhos!

…o tempo pára nesse instante no mundo paralelo que crio para mim. O pensar fotografia, o meu inconsciente, aquele momento, a camêra, o coração pulsante…

As bolhas de sabão e a alegria infantil_ me encanto com a efemeridade e rapidez desse momento, mas não tão rápido quanto minha percepção e um clic para eterniza-lo e te convidar a refletir comigo!

Almejo que meus olhos de jabuticaba nunca se cansem desses momentos, que a pressa do dia-a-dia não me tire o encanto de olhar e contemplar cada vez mais e melhor, todo dia, sempre, tudo!

Percepção aguçada acompanhando a dança do movimento e do tempo.

Fotografar é a chance de reVER o que foi visto com novo olhar. Oportunidade de reVER novamente, e que esta contemplação suscite novos sentimentos e pensamentos.

Como caçadora de borboletas sigo a vida com minha camera fotográfica em punho. Que este dom de eternizar imagens possa sempre aguçar meus sentidos e ser um convite a quem contemplar imagens por mim capturadas.

Almejo traduzir pelo meu fotografar reflexões e reações, promover debates e rever embates, perceber e registrar o que talvez passe desapercebido.

Resgatar o encantamento, tirar os véus.

E viajar através do mistério da lagarta que subitamente ganha asas e vira borboleta. Que minhas fotos promovam voos altos. Quero fotografar você e revelar aquilo que sequer tenha percebido, que tal?

Um click pode mudar tudo!

A metamorfose - crédito da foto: Google