Silêncio de lantejoulas.

Da minha janela.

Súdita que sou, brilhante, imersa em uma sociedade de lantejoulas, eu nunca havia percebido: o silêncio.

Dentro do silencio REINA a consciência. Ela situa o que tenho a minha volta. No silêncio, estou no meu trono.

No início é estranho. Nenhum ruído me dirige, nenhuma sensação me delimita. É preciso me tornar minúscula para me reencontrar nessa desolação átona dos elementos da vida.

Depois, acabo descobrindo o infinitamente pequeno. Eu não existo no facebook. Eu não existo no instagram. Eu me reinvento dentro de mim mesma. Eu sou mais feliz sem selfies. Eu sou mais feliz sem esperar os likes do que sou, de onde vou, com quem vou.

Ao contrário, eu gosto e me satisfaço no meu infinito particular. Sem intervenção externa. Isto me liberta. Me deixa leve.

Eu me acostumo com a minha presença, em si. Eu me observo sem me entediar. Vivo a explosão que há em mim mesma. Fortaleço-me na minha existência, percebo minhas sensações.

E é no fundo de mim mesma, em minha interioridade, em meu mistério, que encontro o Outro.