Até dentro de você nascer. Nascer o que há.

Mas se você vem perto eu vou lá. Eu vou lá.

“Quando eu cheguei tudo, tudo
Tudo estava virado
Apenas viro me viro
Mas eu mesma viro os olhinhos

Só entro no jogo porque
Estou mesmo depois

Depois de esgotar
O tempo regulamentar

De um lado o olho desaforo
Que diz o meu nariz arrebitado
Que não levo para casa

Mas se você vem perto eu vou lá
Eu vou lá

No canto do cisco
No canto do olho
A menina dança

E dentro da menina
Ainda dança

E se você fecha o olho
A menina ainda dança
Dentro da menina
Até o sol raiar
Até dentro de você nascer
Nascer o que há.”

Grandes tesouros…

Ouro Preto é uma fabulosa e linda cidade setecentista encravada num vale profundo das montanhas mineiras.

Por seu valor histórico e cultural, Ouro Preto foi decretada Cidade Monumento Nacional em 1933. Em 1980 a Unesco a declarou Patrimônio Cultural da Humanidade. Seu legado é maior que as fronteiras, sua essência é a própria essência do homem…

Tenho vívidas lembranças de minhas idas a Ouro Preto quando menina ainda, por morar em Belo Horizonte, as viagens a esta cidade nos finais de semana eram relativamente frequentes…esta durava cerca de uma hora, numa linda estrada, cheia de vales e montanhas, um rio bem largo, montanhas e cachoeiras… como geralmente íamos pela manhã para aproveitar o dia, a viagem em si já era uma viagem dentro da viagem…

Ouro Preto sempre surge como uma visão, uma miragem em meio à densa névoa matutina. De repente tem-se a impressão de estar em um universo à parte, por ser em si o maior conjunto barroco do mundo. Uma cidade setecentista em pleno séc. XXI.

A imagem se fez com o tempo, com a espera, com o ver ávido por Olhar!

Um click pode mudar tudo!

“Quando temos os grandes tesouros diante de nós nunca percebemos. E sabe por que? Porque os homens não acreditam em tesouros.”