Uns

E com um sopro tudo voa…

Uns vão
Uns tão
Uns são
Uns dão
Uns não
Uns hão de
Uns pés
Uns mãos
Uns cabeça
Uns só coração
Uns amam
Uns andam
Uns avançam
Uns também
Uns cem
Uns sem
Uns vêm
Uns têm
Uns nada têm
Uns mal
Uns bem
Uns nada além
Nunca estão todos

Uns bichos
Uns deuses
Uns azuis
Uns quase iguais
Uns menos
Uns mais
Uns médios
Uns por demais
Uns masculinos
Uns femininos
Uns assim
Uns meus
Uns teus
Uns ateus
Uns filhos de Deus
Uns dizem fim
Uns dizem sim
E não há outros

Uns – Caetano Veloso

“Autodefinição”

Ouço falar de Oscar Niemeyer desde criança, cujas obras conheci na lagoa da Pampulha, em Belo Horizonte.

Igreja São Francisco de Assis, em Belo Horizonte, M.G.

Latino-americano, revolucionário, poeta. Apreciava sua coerência e modéstia. Comunista, generoso e firme, exilou-se em Paris durante a ditadura militar.

Para qualquer grande artista,o limite da expressão é a sua própria imaginação. Niemeyer foi ampliando esses limites ao longo de sua trajetória. Estudou Einstein e frequentemente o citava: “Das curvas é feito todo o Universo, o Universo curvo de Einstein”.

Sempre focado, ele parecia não se dispersar em questões secundárias.

Li que Niemeyer, aos 102 anos de idade, recebia um grupo de amigos toda semana, para aulas de cosmologia e astrofísica ministradas no seu escritório na Avenida Atlântica por um professor de física. Seu entusiasmo em aprender lembra um jovem estudante.

Era instigado, queria entender a estrutura do Universo, espaço sem fim, e os movimentos dos astros e dos planetas.

Museu de Niteroi

Niemeyer sempre projetou com aguda intuição: a história acaba nos ensinando que os movimentos de vanguarda aconteceram porque artistas certos conseguiram dar um passo adiante em relação ao establishment da arte.

Desde a Pampulha, Niemeyer parece avançar pelo desconhecido, alcançando o ineditismo.

Parecia haver uma inovação inquietante…

O edifício Copan, em São Paulo, é uma visão urbanística, com forte e elegante arquitetura, marco contemporâneo da cidade. A marquise do Ibirapuera, que Niemeyer desenhou para constituir-se num agradabilíssimo centro de convivência.
O MAC de Niterói, corajosa referência de cultura e arte na baía de Guanabara. A Catedral de Brasília, na qual se entra pelo subsolo, chega-se à nave, aberta para o céu.

Catedral de Brasília, D.F.

Arrepiando os preconceitos conservadores, Niemeyer sempre disse que a função mais importante da arquitetura é a beleza. Transformou a arquitetura na expressão reluzente da arte.

Essa é a arquitetura com que Niemeyer enriqueceu nossa arte e, por isso, será referência nos próximos séculos e provavelmente milênios.

Congresso de Brasília, D.F.


É dele esse belo poema, institulado “Autodefinição”, que sempre gosto de ler e considero uma fonte inspiradora:

“Na folha branca de papel faço o meu risco
Retas e curvas entrelaçadas
E prossigo atento e tudo arrisco
na procura das formas desejadas
São templos e palácios soltos pelo ar,
pássaros alados, o que você quiser
Mas se os olhar um pouco devagar,
encontrará, em todos, os encantos da mulher
Deixo de lado o sonho que sonhava
A miséria do mundo me revolta
Quero pouco, muito pouco, quase nada
A arquitetura que faço não importa
O que eu quero é a pobreza superada,
a vida mais feliz, a pátria mais amada.”

Oscar vai, Niemeyer fica.

Oscar Niemeyer, o artista, o arquiteto, o poeta, alma inspiradora…

Fotos: Google images. / Fonte de pesquisa: Wikipédia.

De tempos em tempos…

Preciso me retirar
Me transformar
Entrar no casulo da lagarta
e me transformar em borboleta…
Voar, voar, voar…

Preciso escrever poesia e
non sense
viajar
inspirar, expirar, inspirar…

Preciso ligar para amigos sumidos
Reler livros importantes
Suspirar, sonhar, suspirar…

Olho fotos de infância
Tomo sorvete com meu filho,
sem nenhum motivo especial
num dia qualquer a tarde
vivendo o cotidiano
com olhos de um presente.

Quero namorar e beijar
Deitar e rolar
Sorrir e cantar
Fotografar, fotoGRAFAR, fotografar…

Sair sem rumo e sem prumo
Sem lenço e sem documento
No caminho do inusitado
Do insólito

E depois desse mergulho interno
Pegar ar na superfície
No cotidiano do dia-a-dia
quero ser surpreendida
com novos caminhos

Lembrar que a vida tem os desafios e alegrias…
para darmos o exato valor. É necessário, assim precisa ser.
Assim, re-aprender a ter fé, a acreditar que colhemos
os frutos que plantamos, que almejamos.

Eu quero projetar um voo de borboleta,
metarfosear. Metaforseante. Sentir as dores da lagarta para virar borboleta e voar.

Quero acabar com a futilidade, metarmefoseando-me
espiritualmente.

Almejo saúde e paz!

Até dentro de você nascer. Nascer o que há.

Mas se você vem perto eu vou lá. Eu vou lá.

“Quando eu cheguei tudo, tudo
Tudo estava virado
Apenas viro me viro
Mas eu mesma viro os olhinhos

Só entro no jogo porque
Estou mesmo depois

Depois de esgotar
O tempo regulamentar

De um lado o olho desaforo
Que diz o meu nariz arrebitado
Que não levo para casa

Mas se você vem perto eu vou lá
Eu vou lá

No canto do cisco
No canto do olho
A menina dança

E dentro da menina
Ainda dança

E se você fecha o olho
A menina ainda dança
Dentro da menina
Até o sol raiar
Até dentro de você nascer
Nascer o que há.”

“O amor não é amado, mas amante.”

Um dos livros mais belos que li foi “O Banquete”, de Platão, que fala sobre o Amor. Segue as passagens que mais aprecio:

“O amor não é amado, mas amante.” (204c)

“Que proveito tem, então o Amor. No Amor não buscam os homens sua “metade”, como disse Aristófanes, mas o próprio bem, que é algo de que são carentes.”

“Mas em que consiste a atividade que se chama amor? Responde Diotima: em conceber, dar a luz, e mais propriamente, dar a luz ao que é belo. O amor não é amor do belo, mas da geração no belo. Sendo a geração, para os homens, a forma possível de imortalidade, o Amor é amor da imortalidade.” “a natureza mortal procura, na medida do possível, ser sempre e ficar imortal” (207d)

Ao longo dos anos mudei em relação ao amor… hoje acredito que este é composto não somente por sentimento, mas também por atitudes!

Atualmente percebo que as pessoas tendem a banalizar o Amor, expressam-se com essa palavra para dizerem que gostam de coca-cola, ou uma bolsa, objeto de grife, amam tudo… Acredito que seja na hora que passamos por dificuldades é que entendemos e conhecemos verdadeiramente o pleno sentido dessa palavra e sentimento…assim como de uma verdadeira amizade.

A fotografia tem me dado muitas alegrias e realizações financeiras, mas é no campo pessoal, emocional e espiritual que mais me encanto e me surpreendo todos os dias que exerço meu ofício…Ver está muito além do que lhe é mostrado na sua frente. Em um bom papo acredito que, através da linguagem não verbal, opiniões e vivências que o outro te/se coloca, um novo campo de visão se descortina em minha frente, e fico enaltecida com TODAS as histórias de amor (um dia vou contar a minha história de amor!), como essa que se segue:

“Falar de amor embeleza o ouvido; viver no amor embeleza a alma” (Ivan Cardoso de Andrade) – In memorian).

Bravoo!!

Book família luz natural, lindo de viver!

Infância…Tempo de Inocência

Infância...tempo de inocência...

A infância é o mágico refúgio dos sonhos…
onde tudo é possível
e o melhor está apenas começando.

É o amanhecer da vida,
quando tudo é novo e maravilhoso.

É um pequeno-grande mundo
de sonhos e fantasias…
de súbitas amizades…
e curtas tristezas.

É o tempo de degraus altos e…
pés pequenos.

É alegria… e risos…
e crer-em-tudo.

A infância é correr…
e alcançar…
tocar…ver…
sentir…ouvir…
aprender…imaginar…

São as horas felizes…
é a deliciosa simplicidade onde
o único comprometimento
é com a verdade dos sentimentos…
sem interesses nem segundas intenções…

Universo de seres puros e genuinos
onde há o despojamento do amar
apenas pela essência, e não pelo
significado acoplado, valor agregado…

É um tempo-sem-tempo…
onde os minutos não contam
e as horas passam repletas de felicidade.

O encantador tempo de inocência!

ReTRATO

ReTRATO

Ato do reTRATAR
Colocar no papel o reTRATO
Deixar a poesia se confundir entre
Imagem, arte e sentimento.
Quero reTRATAR, tratar novamente
Deixar o AR entrar.
Espaçar distancias, encurtar saudades
Diante das minhas câmeras tenho visto
reTRATOS que a vida apresenta.
Quero o fino trato, o traço fino
do desenho feito pelas
Luzes, das marcas da vida nas feições e
Semblantes. Cada novo rosto
reTRATADO um universo sem fim.
Oportunidade rara em observar a riqueza
criativa da qual somos feitos.
Constituídos dos mesmos elementos,
Dois olhos, um nariz e uma boca.
Tamanha diversidade. Beleza única.

Dora Maar por P.Picasso

Olhar contemplativo

Olhar contemplativo -

Desde sempre tive fascinação por borboletas, papillons e butterflies.

Sim… para mim, em cada língua esse som adquire uma linguagem própria… Lembranças de infância, várias delas, tipo borboletas azuis (Blue Morpho Butterfly), pretas por fora, mas quando abriam as asas para voar eram de um surpreendente azul celeste, multicor, brilhante, e voavam aos montes__ uma nuvem celestial de borboletas azuis embaixo do abacateiro no Vinhático…

As crianças são um universo único realmente. De repente, percebo esta cena… e me encanto! Os compromissos que esperem _
pois estou vendo uma mágica maravilhosa bem em frente dos meus olhos!

…o tempo pára nesse instante no mundo paralelo que crio para mim. O pensar fotografia, o meu inconsciente, aquele momento, a camêra, o coração pulsante…

As bolhas de sabão e a alegria infantil_ me encanto com a efemeridade e rapidez desse momento, mas não tão rápido quanto minha percepção e um clic para eterniza-lo e te convidar a refletir comigo!

Almejo que meus olhos de jabuticaba nunca se cansem desses momentos, que a pressa do dia-a-dia não me tire o encanto de olhar e contemplar cada vez mais e melhor, todo dia, sempre, tudo!

Percepção aguçada acompanhando a dança do movimento e do tempo.

Fotografar é a chance de reVER o que foi visto com novo olhar. Oportunidade de reVER novamente, e que esta contemplação suscite novos sentimentos e pensamentos.

Como caçadora de borboletas sigo a vida com minha camera fotográfica em punho. Que este dom de eternizar imagens possa sempre aguçar meus sentidos e ser um convite a quem contemplar imagens por mim capturadas.

Almejo traduzir pelo meu fotografar reflexões e reações, promover debates e rever embates, perceber e registrar o que talvez passe desapercebido.

Resgatar o encantamento, tirar os véus.

E viajar através do mistério da lagarta que subitamente ganha asas e vira borboleta. Que minhas fotos promovam voos altos. Quero fotografar você e revelar aquilo que sequer tenha percebido, que tal?

Um click pode mudar tudo!

A metamorfose - crédito da foto: Google

15 anos!!

Book teenagers studio Anna Alvarenga Fotografia.

Sete flores, sete cores, sete sabores…sete meninas desabrochando para o mundo, para as novas descobertas e desafios…

Cada uma com sua singularidade, mas todas, todas com a alegria contagiante, a risada solta, os sonhos aflorando para um mundo de possibilidades!

Melhores amigas, formando um arco-íris completo. A vida se descortinando, tudo por acontecer. Suas diferenças são o que as complementam. Suas nuances, suas matizes vão ajudar construir novo tempo. Elas percorrerão muitos caminhos, mas a base sólida que as faz flores do mesmo bouquet, são a base deste arrANJO.

Quero voltar a fotografar esse grupo. Olhar em suas expressões o desenho do tempo. Registrar pelas minhas lentes os amores escolhidos, as barrigas que um dia crescerão, os filhos que nascerão. Então retornar a esse bouquet e ter a oportunidade de rever a explosão deste colorido ímpar, que um dia minhas lentes revelaram.

Que tal propor aos amigos o registro, de tempos em tempos, da evolução do grupo no decorrer da jornada? Com capa bonita e o título você pode escolher. Eu sugiro: “O livro dos Tesouros”.

Registre cada e todos os momentos!

Um click pode mudar tudo!